Manifestamente a crise econômica não atinge todo mundo. De acordo com o relatório publicado recentemente pela empresa de consultoria francesa Proxinvest, os patrões do CAC 40 dividiram em média uma remuneração total de 4,11 M€, opções e ações conjuntas, ou seja um salto espetacular de 34%.

Veja a seguir a renda anual dos patrões dos principais grupos franceses :

Jean-Paul Agon (L’Oréal – 10,7 M€)

Bernard Arnault (LVMH – 9,7 M€)

Carlos Ghosn (Renault – 9,7 M€)

Bernard Charlès (Dassault Systèmes – 9,5 M€)

Franck Riboud (Danone – 7,7 M€,)

Maurice Levy (Publicis – 6,2 M€)

Christopher Viehbacher (Sanofi-Aventis – 6,1 M€)

Arnaud Lagardère (Lagardère SCA – 4,9 M€)

Henri de Castries (AXA – 4,9 M€) e

Lars Olofsson (Carrefour – 4,8 M€).

A  esta renda acrescenta-se uma aposentadoria complementar cujo valor não foi informado pelos patrões.

Conversão :

1 000€ =  2,298.80 BRL

Uma renda anual de 10,7 M€ equivale a um salário mensal superior a 830.000 euros, ou seja, R$ 1.908.000,00.

CAC 40, cujo nome deriva da expressão Cotation Assistée en Continu, é uma relação das companhias abertas de melhor performance financeira da França.